MENU

I Ching

I Ching (ou Yi Jing na transcrição oficial pinyin) significa literalmente Livro Clássico - Jing, do processo de mudança - I. Ou seja o livro que estuda a forma como o mundo muda continuamente à nossa volta. A base do I Ching são os 64 hexagramas, sequências desenhadas na vertical de baixo para cima de linhas cheias (com característica yang) ou linhas quebradas (linhas yin). Os hexagramas são transversais a toda a metafísica chinesa e têm inúmeras aplicações, sendo a função de oráculo a mais conhecida. O I Ching é precisamente um oráculo em forma de livro, ou seja a previsão da consequência de uma possível ação ou desenvolvimento de uma situação presente, por meio da interpretação dos hexagramas. No entanto os hexagramas têm inúmeras outras aplicações por exemplo em feng shui, astrologia, seleção de datas, etc. A aplicação dos hexagramas a estas artes designa-se também (poéticamente) por uso do “I Ching”.

O I Ching tem duas histórias… A história mitológica e a história científicamente verificável que tem vindo a ser investigada nos últimos anos. A mitologia chinesa atribui a origem dos hexagramas assim como a maioria dos princípios da metafísica chinesa a Fu Xi (3000 AC), o primeiro dos "Três Augustos" e fundador da civilização chinesa. Subsequentemente, a lenda da génese deste clássico está intimamente ligada ao início da dinastia Chou (1143 AC), com o aparecimento do Chou Yi o livro predecessor do I Ching. De uma forma quase contemporânea apareceu o Yao Ci que detalha o significado das linhas e séculos mais tarde, Confúcio e seus discipulos adicionaram comentários ao texto no clássico "As Dez Asas". Sob o ponto de vista arqueológico, os primeiros textos existentes (em seda) são provenientes de túmulos do início da dinastia Han (200 AC), mais concretamente os túmulos em Mawangdui perto de Changsha na província de Hunan.

Tal como já se referiu, a aplicação dos hexagramas é transversal a toda a metafísica chinesa. Outro nome a reter é o do famoso filósofo Shao Yong da dinastia Song (cerca de 1000 AD). Shao Yong recuperou a sequência original de Fu Xi e transformou-a num arranjo circular. Essa sequência circular transcrita nos luo pans san yuan é a base do Feng Shui "Xuan Kong Da Gua". Em termos de I Ching - oráculo própriamente dito existem duas escolas de interpretação. Uma mais técnica, Hsiang Shu ou imagem-numerologia, que dá ênfase ao estudo segundo o relacionamento entre as linhas, e uma mais artística, I Li, que dá ênfase à interpretação dos textos. Uma conhecida faceta do método imagem-numerologia é o oráculo da flor da ameixoeira "Plum Blossom Divination".