MENU

Estudar Feng Shui, capricho ou inspiração? Paula Oliveira, 05 de Maio de 2017

Na passada semana realizámos mais um dos nossos workshops de introdução à Arte do Feng Shui.
No final de um dia muito divertido pedi às pessoas presentes que me enviassem uma frase sobre o que retiraram do WorkShop.
Uma frase destacou-se das demais no momento em que a li, pela simplicidade e porque traduz exatamente o que quis transmitir com aquela partilha.
A frase diz apenas: “um novo olhar sobre os espaços que vivemos e partilhamos”.
No momento em que na Escola Nacional de Feng Shui iniciamos um novo Curso Elementar, esta frase inspirou-me a seguinte reflexão:
Neste corpo material que habitamos sabemos que somos dotados de 5 sentidos: vemos, saboreamos, tocamos, ouvimos, cheiramos.
Estes sentidos, que fazem parte do sistema sensorial do corpo humano são responsáveis por enviar as informações obtidas para o Sistema Nervoso central que, por sua vez, analisa e processa a informação recebida.
E, simplificando, sabemos que estes 5 sentidos estão ligados a órgãos do corpo humano ou partes do corpo humano (olhos, nariz, boca, ouvidos, mãos) e correspondem às nossas perceções do mundo, realizadas por meio de um processo de tradução, análise e processamento das informações sensoriais, o que, muitas vezes, determinou a sobrevivência dos seres humanos bem como dos animais no planeta terra.
No entanto, não deixarão, decerto, de concordar comigo quando digo que vivemos tempos de grande desenvolvimento intelectual e tecnológico onde cada vez mais se privilegia o fazer e o ter sobre o Ser e o Saber Estar.
Assim, olhamos, mas não vemos, ouvimos, mas não escutamos, cheiramos, mas não paramos para apreciar um odor e tocamos…, mas quantas vezes nos permitimos sentir a provocação que aquele toque nos transmite?
Se é verdade que são os nossos sentidos que contribuem para a nossa sobrevivência no planeta Terra, assim como aos restantes animais da Terra, à medida que privilegiamos o correr desenfreado dos sentidos com ideias de esforço e posse, movidos pelo medo programado no nosso ADN desde tempos imemoriais, corremos o risco de não sobreviver e pior…de não VIVER.
Assim, torna-se urgente refletir e aprender a refinar os nossos sentidos.
E é aqui que estudar a Arte do Feng Shui pode, realmente, ajudar.
Segundo os princípios do Feng Shui os espaços que frequentamos e ocupamos afetam a forma como nos sentimos e, condiciona a perceção que temos da vida em geral.
O que é o mesmo que dizer que os nossos espaços onde vivemos e partilhamos influenciam a perceção que temos da vida e condicionam a nossa saúde física, mental e emocional. E o que a nossa participante retirou da reflexão que fizemos no WorkShop é que: todos os dias ela experimenta pelos seus sentidos o espaço que ocupa. No entanto depois do WorkShop a perceção é diferente. A lente que este conhecimento nos empresta permite aprofundar todos os nossos sentidos e libertar (um pouco ou muito, depende do estudo e da entrega) a malha da ilusão que nos impede de, realmente Ver.
E muitas das pessoas que nos contactam sobre os nossos cursos referem uma vontade enorme, um chamamento, um desejo de saber mais…, mas, algumas vezes associam  esse sentir a um capricho, uma fantasia que é preciso refrear, ou  porque o curso é longe, ou a família não vai entender,  ou não há tempo, não há dinheiro…
Na minha modesta perceção, movida pela minha própria experiência com esta Arte, querer aprender Feng Shui não é um capricho, mas uma necessidade. Uma inspiração que vem daquela parte de nós que é pura intuição, mas também instinto…que é sentido puro…e que grita: vê, escuta, cheira, saboreia e Sente…, pela tua saúde!
Torna-se assim, essencial parar e refletir sobre como vivemos e, também onde vivemos e trabalhamos e, mais do que nunca é importante conhecer e implementar os princípios do Feng Shui no nosso ambiente para promovermos a educação dos nossos sentidos.
E, para mim educar não é ensinar teorias desconhecidas e enriquecer a mente com mais brinquedos para ela se entreter; educar é mostrar, é ensinar as leis da vida e novos comportamentos, novas formas de agir e de traduzir o mundo no geral e cada um dos nossos espaços em particular. E o Curso Elementar da ENFS é  uma tradução dessa forma de educar.
É pela ação que nos manifestamos e é pela ação que fazemos a diferença que queremos ver refletida ao nosso redor.
Há um ditado chinês que gosto particularmente e que diz:
“Se houver clareza na alma, haverá beleza na pessoa. Se houver beleza na pessoa, haverá harmonia na casa. Se houver harmonia na casa, haverá ordem na nação. Se houver ordem na nação, haverá paz no mundo”.
E estudar Feng Shui é aprender a elevar a nossa perceção e refletir, pela mudança de comportamento, a ordem primordial. E este é o maior estado de felicidade que podemos desenvolver.
Bons estudos e boas práticas!