MENU

A Geometria Sagrada, Mandalas e o Feng Shui Margarida Estevam, 05 de Junho de 2017

Podemos olhar à nossa volta e perceber as formas geométricas que nos rodeiam, a começar no nosso próprio corpo, passando pela Natureza e pelo Universo: conseguimos perceber a geometria existente no olho humano ou de um animal, na estrutura molecular do nosso ADN, o olho do furacão, a carapaça da tartaruga, as conchas na praia, as estruturas moleculares dos cristais, as frutas, as teias de aranha, os favos de mel na colmeia, o desenho da pele das cobras, o formato dos planetas e o desenho que formam as suas órbitas à volta do Sol, uma galáxia existe em espiral perfeita…

Uma forma geométrica que verificamos um pouco por todo o lado é a espiral áurea, que é resultado da união de vários semicírculos inseridos em quadrados, cujas medidas dos lados respeitam a sequência de Fibonacci. A espiral áurea está presente na Natureza, por exemplo, na concha e no girassol. Este fenómeno resulta na simetria que existe na Natureza e representa a Harmonia Perfeita que existe na Natureza e no Universo. Por isso Pitágoras disse que “tudo é número”, ou seja, que a Natureza segue padrões matemáticos.

À medida que o Ser Humano foi estudando as formas e a geometria na Natureza, através da observação, foi integrando esse conhecimento nas suas criações. Vemos exemplo disso mesmo na arquitetura, escultura, pintura, música, literatura… A Geometria Sagrada é uma linguagem que é utilizada pelo Ser Humano para ligação com o Universo, com tudo aquilo que ultrapassa o plano terrestre e palpável, fazendo uso dessa perfeição que é percetível na Natureza e no próprio Universo. É o estudo da relação entre a forma e a proporção contidas no micro e macrocosmos e que permite compreender a Harmonia, o Equilíbrio e a Unidade que há em tudo o que existe (Todo).
 
No que diz respeito ao Feng Shui, podemos dizer que o Bagua, a representação mais utilizada nesta Arte Milenar Chinesa, é um exemplo de Geometria Sagrada e especificamente de Mandala.As Mandalas são círculos de Luz e Energia e símbolos de Harmonia Universal, símbolo da Unidade entre o microcosmos onde se insere o Ser Humano e o macrocosmos que é o Universo. Utiliza Geometria Sagrada e Linguagem de Luz, para representar nesta realidade aquilo que existe no Universo.
 
O Bagua é um octógono, com 8 faces que correspondem aos 8 sectores da casa e da vida, representados por 8 trigramas (Ba significa Oito e Gua significa Trigrama). As energias representadas no Bagua são as das 9 Estrelas da Constelação da Ursa Maior, identificadas por 8 Trigramas (conjunto de 3 linhas, com polaridade Yin ou Yang), sendo que uma das energias não tem Trigrama associado e se localiza no Centro do Bagua (5). Se deitarmos o número 8 ficamos com o Símbolo do Infinito, que é um símbolo que representa a eternidade, a perfeição sem início nem fim, em constante ciclo contínuo, que também é o que representa o Bagua.

O Bagua é uma Mandala que espelha um ciclo sagrado das Cinco Transformações e da Natureza, representa a materialização do Todo através dos fenómenos da Natureza, as quatro estações do ano, o tempo cíclico, a constante transformação de Yin em Yang e novamente de Yang em Yin no ciclo eterno… Como é referido no livro clássico do Taoismo, “Tao Te Ching”: “O Caminho gera o Um, o Um gera o Dois, o Dois gera o Três e o Três gera os dez mil seres.”, Lao Tse, “Tao Te Ching”, Excerto do cap.42. Do Todo / Universo (Um), temos a desmultiplicação na polaridade de energia (Ki) em Yin e Yang (Dois), que continua a se desmultiplicar em Cinco Transformações (Três) e daí em 8 Trigramas e na materialização nos fenómenos da Natureza nas 9 Energias Base presentes no Bagua e em tudo aquilo que existe no Planeta.

A trindade presente no conceito de San Cai ou as Três Sortes (Sorte do Céu / Sorte da Terra e no centro a Sorte do Homem) também se identifica na representação do Todo através do Bagua, já que o Bagua é a figura de transição entre o círculo (Símbolo do Céu) e o quadrado (Símbolo da Terra), é a harmonia do Céu presente na Terra, com o Homem no centro. O centro no Bagua é representativo do Equilíbrio e da junção das polaridades Yin e Yang.

O Bagua é utilizado em ambas as vertentes de Feng Shui, Clássica e Contemporânea, e permite a interpretação das energias presentes no espaço utilizado pelo Ser Humano. Cada um dos sectores tem diversos aspectos a ele associados, como características de personalidade, simbologia de várias áreas da vida, órgãos do corpo e pontos cardeais e intercardeais. Através da análise de todas estas camadas de informação pode-se verificar o que acontece na vida daquele indivíduo, pois a casa é um espelho das nossas vivências.


No Workshop de Mandalas e Feng Shui Intuitivo apresentado pela ENFS em parceria com Mandalas de Luz, no dia 2 de Julho, pretende-se perceber esta relação entre as Mandalas e o Bagua que aqui foi descrita e utilizar estas ferramentas de Geometria Sagrada como diagnóstico do que potencialmente se apresenta na casa do indivíduo e de que modo podemos harmonizar a relação do Ser com o Espaço que utiliza.